28/01/2008

Poema alentejano

Andava passeando
encontréi o mê amori
Pus-me estressando
Tal era o mê calori
Tropecei num caracóli
Fui c'as bentas ao chão
Estendido ali ao sóli
Pedi logo a sua mão
A moça tod'encarnada
disse qu´eu era louco
dê-me uma estalada
e disse qu'era pouco
Mas a cousa piorou
quando ma declarei
Disse-lhe tudo o que sou
e ali mesmo m' atirei
Home de poucas letras
mostrei minhas virtudes
Na me fio cá em tretas
Assumi as atitudes
Levei mais um murro
vi mas de mil estrelas
Mais esperto é mê burro
que sabe escolhe-las
na se mete nas encrecas
e está sempre a comer
Más tardi cand'acordei
ca barriga a dar horas
lá m'alevantei
dorido e com demoras
Nã sê se foi do tinto
ou talvez das chouriças
Fora compadre Jacinto
que m'arreara nas bêças
_______
Pedro Arunca
2008/01/28

8 comentários:

Maria disse...

Eu é que te agradeço as belas gargalhadas que dei.....

Abraço

Litinha disse...

"Vai onde te leva o Coração"
E ele foi... este alentejano também foi... contra tudo e contra todos... ou não fosse o seu "amori" a falar mais alto!... :)
Beijinhos.

Sandra Vasconcellos disse...

Acenda Sua Estrela É Hora de Brilhar
Toda pessoa traz consigo estrelas que a vida concede.
Estrelas de brilhar, estrelas de crescer, estrelas de encontrar o caminho do sonho que se persegue.
Saber reconhecer os brilhos e as estrelas é o nosso destino.
Porque há quem se encante com o brilho de estrelas que não são suas e se perde.
Há quem deseje o brilho de outra mais distante e por isso passa quase todo o tempo como passageiro, nas estações, à espera de um trem para lugar nenhum.
Aceitar as estrelas que trazemos é o que faz a diferença entre o que queremos ser e o que verdadeiramente somos.
Brilhar é acreditar na força que elas têm, desvendar seus mistérios, e aí então deixar que suas luzes se derramem alma adentro e tanto, que carregar as estrelas seja como conduzir um candeeiro, para que, onde quer que se vá, longe, alto, possam os outros perceber a claridade.
Esse é o desejo: uma felicidade intensa hospedada definitivamente em seu coração, como estrelas na palma das mãos a iluminar os caminhos.

Bjus

Å®t Øf £övë disse...

Pedro,
Grande "home"!!! Não há nada como substituir as letras pelas virtudes...
Abraço.

Alexandra disse...

Estava eu a ouvir os Trovante que aqui nos deixaste, quando começei a ler o poema....

Bolas, só tu Pedro agora me farias rir lollllllll

FANTÁSTICO!!!!

Beijo

Ana disse...

Tens um desafio lá no meu cantinho!

Bjocas

Vanda Paz disse...

Precisava de rir hoje...eheheh


Beijos

Nélia disse...

Está simplesmente demais...

Bj