31/05/2007

Dançar

Dançar com um sorriso
Abrir os braços em arco
Ouvir o som do granizo
Balançar o corpo como um barco

Girar, rodar e saltar bem alto
Tocar os astros com os dedos
Nas nuvens, na areia ou no asfalto
Mostrar o rosto sem medos

Com música sempre a tocar
Fazer uma roda de amigos
Tango e valsa para dançar
O mundo livre de perigos
______
Pedro Arunca
2007/05/31

29/05/2007

SETE PEDAÇOS VITAIS

(O Art_of_love foi apanhado na onda e arrastou-me. Gostei do desafio...)
I
O que
tenho de fazer antes de
morrer
1 » viver...porque não sei fazer outra coisa...
2 » dizer: "AMO-TE", a quem amo…porque não?
3 » editar um livro…"deste que vos deixa"
4 » reunir amigos de infância…numa grande brincadeira
5 » tirar carta de marinheiro... zarpar e lançar minhas cinzas
6 » compor uma canção…e ouvi-la na telefonia
7 » dizer tudo o que me vai na alma…que não é pequena
II
Que mais gosto
1 » honestidade…acima de tudo.
2 » ver o lado positivo…das pessoas, das causas e das coisas.
3 » sexo…de olhos abertos; acrobático; falado; sem horas; global
4 » amigos…sem eles é difícil viver
5 » ver sorrir…é contagiante (não matem este vírus)
6 » crianças...o amor no estado puro...
7 » natureza...naturalmente
III
Prazeres fúteis

1 » comprar e ouvir Cd’s… música para os cardápios dos restaurantes já!
2 » comer gelados…às colheradas (huuuummmmmmmm)
3 » comer fora…em qualquer lado com água aos meus pés
4 » um bom vinho….de preferência tinto velho...
5 » Net…porque navegar é preciso
6 » blog’s………Penso, blogo existo»
7 » ler no WC…o saber não ocupa lugar


IV
Que digo frequentemente

1 » "sim"……gostava de o dizer mais vezes aSSiiiiiimmmm
2 » "por favor"…sabe-me bem dizê-lo
3 » "obrigado" …por nada, por isto, por aquilo e por tudo
4 » "como correu o teu dia?"...gosto dela e quero seu bem.
5 » “vou à pesca”… o mar me quer, o mar me tem
6 » o sonho comanda a vida………para que nunca se esqueça
7 » "sim, minha senhora"… quando a lista de recados engorda

V
Que faço bem
1 » pensar que penso…pensando bem, não sei...
2 » ironizar…sobre o que me agrada ou incomoda
3 » cozinhar…porque me desperta os sentidos
4 » lixo…começando, pelo me sai da caixa do correio
5 » directas…na boa….sou filho da madrugada
6 » acreditar que somos todos boa gente…não há maus rapazes e há raparigas booooas
VI
Que não faço ou não sei fazer

1 » dar o dito por não dito…dito e feito
2 » filhos…não por falta de tinta. Faltou o papel.
3 » esquecer os amigos…nunca!
4 » política…não quero vírus ma li gnus (↑II.1)
5 » a barba, todos os dias…é uma (falsa) sensação de liberdade
6 » amar perdidamente…como Florbela Espanca
7 » julgar...não tenho essa capacidade
VII
Que odeio

1 » avareza… rima com riqueza…
2 » hipocrisia…fazer orçamentos de guerra com discursos de paz.
3 » inércia…não faças hoje o que não queres fazer amanhã
4 » xenofobia…juntos, somos o arco-íris
5 » pobreza…humana, de espírito e de valores
6 » má fé…esta não nos salva…
7 » oportunismo…o ladrão faz a ocasião que fará outro ladrão e...


Os 7 magníficos que acorrento neste desafio
1 » Anokas do "Cantinho da Anokas". Gostei. Obrigado.
2 » Tu. Atreve-te.
3 » Você. Não hesite.
4 » V. Ex.ª . Faça o favor.
5 » Eu!???. Sim. Porque não?
6 » Psst...aonde pensa que vai? Não gosta de desafios?
7 » Olá! Isto é consigo.

27/05/2007

voar

um olhar tira-nos as palavras
um sorriso diz mais que a voz
um abraço aquece-nos a alma
um beijo faz-nos levitar

Aprende a voar: olha, sorri, abraça e beija

26/05/2007

As palavras brotam da terra.
O vento as leve ao Homem
que as dita, usa e consome
e, assim, esqueça a guerra.

22/05/2007

20/05/2007

Lui meme

À Ana, do "Cantinho da Anokas", que me presenteou com seu meme: "Na vida recebemos flores e pedras. Quando erguemos um muro á nossa volta, podemos-nos proteger das pedras... mas jamais conseguiremos receber as flores." Grato pelo testemunho, retribuo com amizade:
Aos 17 anos, escrevi: é com as pedras que nos atiram que erguemos nossas ameias.

Apesar de virmos ao mundo sem manual de instruções, somos(auto?) instruídos ao longo da caminhada. Uma das conclusões a que (bem cedo) cheguei é que, em todos os momentos, somos nós que escolhemos o caminho que seguimos. Pudemos não saber como chegámos a determinado ponto, mas temos a oportunidade de, sempre, questionar: fico aqui; sigo em frente; volto para trás; vou por ali; sigo por acolá; faço um desvio ou vou pelo atalho?
Naturalmente que as referências, a bagagem que trazemos, as "fotos" que tiramos e os companheiros que conhecemos, influenciam as nossas decisões. O "não", o "sim" e o "talvez" são luzes do semáforo da nossa existência.

"Não há nada mais humilhante do que não saborearmos os frutos da árvore que não abanámos."
A sorte e a oportunidade andam de mãos dadas. O nosso papel é captarmos a oportunidade para aproveitarmos a sorte que ela nos reserva.

"Não sei para onde vou, sei que não vou por aí"
Na vida, como no trânsito, encontramos placas, avisos e sinais que umas vezes respeitamos, outras nem por isso. Gosto da que diz: "Páre, Escute e Olhe" e daquela que informa: "Passagem de nível sem guarda"
"respeita o próximo"
Fazemos parte de um todo. Os outros são uma parte de nós. Tudo o que fizermos em nós se reflecte.
"Hoje é o amanhã que, ontem, nos preocupava."
Há quem se acomode na Pensão Ideal, porque lá conta com "cama, mesa e roupa lavada". Para outros "ter uma nota no bolso pra cigarros e bilhar" é o Tê Zero que lhes basta.
"É preciso semear para colher"

"Quem semeia ventos, colhe tempestades"

Se muitas vezes engolimos sapos, uma certeza nos assiste: "o que não mata engorda".

"Estamos sempre a aprender"

Com as tais "pedras", podemos: calcetar o nosso caminho, erguer muralhas para que nos protejam, ou devolve-las à origem.

Cada dia que passa é uma página do livro que nos compete escrever

19/05/2007

Esteva

Bela flor da esteva
É rainha no campo
Eleva a sua beleza
com tiara de branco

Branca flor
espero o meu amor

Dá a vida por um dia
Cada um o seu desejo
Pôr no cante a alegria
Sua voz, no Alentejo

Branca flor
espero o meu amor

O vento passa por ela
E leva o seu perfume
Puro mel, alva pétala
Vive sem queixume

Branca flor
espero o meu amor
__________
Pedro Arunca
2007-05-19

15/05/2007

Cartas guardadas

Longe, os dias cor de rosa
Distantes, as flores do jardim
Poemas que já foram prosa
Cartas que guardo para mim

Palavras nunca escutadas
Páginas por desvendar
Lágrimas cristalizadas
Que o tempo fez secar

Cada estrela um segredo
Que a lua lhe contou
Sombras no arvoredo
Que o amor projectou
___________
Pedro Arunca
2007/05/15

06/05/2007

MÃE de A a Z

Mãe é afago, beijo primeiro, carinho, dedicação, embalo no colo,flor delicada, guarda-nocturno, história para dormir, imagem eterna, jogo do esconde-esconde, lágrima escondida, música no coração, natal de todos nós, olhos belos, palavra mágica, quarto arrumado, remédio certo, sopinha quente, ternura no estado puro, uva sem grainha, vigilante atenta, xi-coração, Zero de medo, etc.

05/05/2007

Fobias de A a Z

A TSF passou, a 6/5, uma excelente reportagem sobre fobias. A não perder "Prisioneiros do Medo" (arquivo)
************************************
Fiquei a pensar nos medos que nos afectam e no modo como se reflectem nas nossas atitudes e comportamentos. Seria útil ter um BIF (Bilhete de Identificação de Fobias).
O abecedário está quase todo a(in)fectado. Que saiba, apenas as letras K, Y e W, escapam às fobias. Há fobias para todos os desgostos.

Não sou psiquiatra, mas tento reparar as minhas próprias mazelas. Se necessário, recorro à minha caixa de ferramentas e tapo um buraco, penduro ou mudo um quadro, troco uma lâmpada, dou uma pintura, acabo com o ping-ping da torneira, aperto um parafuso, calafeto uma porta, enfim… pequenos trabalhos de animal auto-doméstico. Quem é que não tem uma chave de parafusos, um martelo e um alicate? É o mínimo!
Não há desculpa para não ter. Vá já, a uma das lojas do chinês da sua rua, e compre um Kit a seu gosto. Faça você mesmo a sua pequena reparação. Os grandes estragos requerem especialistas.

O tempo ensina-nos a reparar males menores. Os grandes, ficam para dias melhores, piores ou para dia de S. Nunca (adoro este Santo, ninguém sabe a sua história mas é o que tem mais devotos).

Finalmente percebi porque, a dado momento, andei com A, B e C. Como? Continuo a falar de fobias!
Das minhas, só falo na presença do meu cão.
Pensem em alguém que conheçam bem (mãe, pai, avós, amigo de infância) e/ou que conheçam mal (V. Ex.ª, colega de trabalho, namorada/o, cônjuge, filhos). Arrisquem associar uma, ou mais, das iniciais dos nomes de cada pessoa às respectivas letras das fobias. Eu já o fiz e até comecei a elaborar o mapa fobínico com todos eles. Escolhi algumas, por aquela ou aqueloutra razão:
Atazagorafobia - medo de ficar esquecido ou ignorado
Biofobia - medo da vida
Cronofobia - medo do tempo
Dipsofobia - medo de beber
Ergofobia - medo do trabalho
Fronemofobia - medo de pensar
Gnosiofobia - medo do conhecimento
Hominofobia - medo de homens
Ideofobia - medo de ideias
Japanofobia - medo de japoneses
Logofobia - medo de palavras
Metrofobia - medo ou ódio de poesia
Neofobia - medo de qualquer coisa nova
Ometafobia ou omato - medo de sonhos
Papirofobia - medo de livros
Quiraptofobia - medo de ser tocado (a)
Ritifobia - medo de ficar enrugado
Sarmassofobia - medo de fazer amor (malaxofobia)
Tafofobia ou tafefobia - medo de ser enterrado vivo
Uranofobia - medo do céu
Verbofobia - medo de palavras
Xenofobia - medo de estrangeiros ou estranhos
Zeusofobia - medo de Deus ou deuses

03/05/2007

Chicago

Recordar agora
Lutas de outrora
Reduzir a jornada
Da ganga cansada
Sangue nas ruas
Verdades cruas
Milhares de razões
Morrer por milhões
Chicago profundo
Mudou o mundo
O fruto no galho
8 horas de trabalho
É preciso honrar
Aquele que tombar
Refletir na causa
Momento de pausa
______
Pedro Arunca
2007/05/03