12/01/2008

Hoje vou sair


Hoje não é um dia especial, sequer um dia diferente
Um dia normal, como para muita gente.
Não te telefono nem mando mensagens
Fico no meu canto. Talvez leia um livro ou escreva uns versos.

Hoje não ligo para ninguém!

Falámos há dois anos, era Natal. Muito tempo para quem não esquece.

São longos os dias de Inverno. Só a esperança me aquece.
Devo ter paciência de santo para esperar por ti, sem qualquer sinal.

Também as árvores o fazem com as aves que partiram e a Primavera ainda vem longe.

Hoje não ligo para ninguém!

Não resisto à tentação de abrir o álbum de fotos que restou.

Um sentimento estranho apodera-se de mim.
Estou diferente mas algo, que não vejo, permanece.
Aquela t-shirt azul que me ofereceste, ainda a tenho.

Usei-a no Verão que passou.

Hoje não ligo para ninguém!

Liguei o computador e fiz um poema.
Vou sair esta noite. Minhas saídas são poucas.
Quero esquecer o amor no barulho e nas luzes num bar das docas.


Hoje não ligo para ninguém!

__________
Pedro Arunca
2008-01-12

4 comentários:

Paula Raposo disse...

Pois a memória é complicada!! Desta vez deu para sair assim um poema tão bonito!! Adorei. Beijos.

foryou disse...

Hoje não é um dia especial?? Quem disse??? Claro que é!! Todos são!!!
E o poema está lindo.

Beijoooooooooo

Å®t Øf £övë disse...

Pedro,
Se as tuas saídas são poucas, quando saires fá-lo como se não houvesse amanhã, e não escutes ninguém...
Abraço.

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Pedro, anima-te, tens um lindo poema.
Adorei!
Tens uma prendinha, no FOTOS FERNANDA.
Beijinhos de carinho e amizade.
Fernandinha