28/10/2009

Regresso

Renovado, regresso consciente de ter renascido. Grato a quem se empenhou e me deu apoio. Afastado das palavras e não das pessoas (algumas). Na sua ausência entrego-me ao silêncio da pintura.
Mudanças em curso. História a cumprir-se. Destino incerto, tal como o caminho, vago é ser lúcido porque não se adivinha. Não sei para onde vou, sei que não fico por aqui. Rumo além de mim.
Na apatia aparente revi gestos, palavras e gente.
Se com pedras se ergueram castelos (e também se destruiram) com pedras se fizeram estradas e barraram caminhos. Quero o meu livre, para fazer de algumas marcos da minha passagem.

7 comentários:

Paula Raposo disse...

Estou muito contente por ti!
Estou completamente desnaturada porque ainda não te telefonei para nos encontrarmos...quando o trabalho abrandar combinamos, ok?
Muitos beijos, até lá...e sempre!

Maria disse...

Que bom ler-te novamente.
Fico contente por saberes que não ficas 'por aqui'...

Beijo

Graça Pires disse...

É bom teres voltado. E renascido...
Um abraço.

Anónimo disse...

Amei seu poema, e sei o que é ter "voltado", espero que continue nos abrilhantando com suas palavras mágicas ainda por muito tempo.

L.S.A. disse...

Aos anos que não via nada de si Pedro!
Não acredito que volte...!
Eu umas vezes estou, outras...não.
Abraço Pedro e divirta-se,
Maria

Ana Ventura disse...

Renascemos quando alcançamos um nível espiritual mais elevado e compreendemos que no caminho todas as pedras são necessárias para a nossa evolução. Adorei, muito lindo mesmo.

L.S.A. disse...

Pedro:
Como gostei de o saber por aqui!
Eu já não estou entusiasmada por aqui andar, mas vou "andando"...
O entusiasmo do início acabou, embora a fotografia me continue a entusiasmar.
Volte Pedro, pois tem por cá tantos amigos...!
Um abraço.